Educação em saúde no Programa Mais Médicos para o Brasil: O papel do supervisor no processo educacional.

Mariana do Socorro Maciel Quaresma, Cybelle Cristina Pereira, Ronaldo Costa Monteiro

Resumo


O Programa Mais Médicos foi criado no ano de 2013, como uma estratégia que visa assegurar saúde com qualidade para a população, através de um melhor desenvolvimento da Atenção básica. Este trabalho objetiva refletir sobre as fortalezas e fragilidades da realização de educação em saúde pelos profissionais que atuam no Programa Mais médicos e sugerir propostas para que as ações educativas possam ser realizadas. Foram utilizados relatórios de várias visitas de supervisão realizadas pelos autores, como bases reflexivas para a construção deste trabalho. Durante as supervisões foram identificados vários aspectos que podem levar ao sucesso ou insucesso das ações educacionais, no qual o supervisor precisa identificar e criar condições necessárias para concretização da educação em saúde, pois a mesma fundamental na transformação de realidades.

Palavras-chave


Programa Mais Médicos, Educação em Saúde, Supervisão.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2012

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde.Programa mais médicos – dois anos: mais saúde para os brasileiros / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. – Brasília; 2015.

Ministério da Educação (Brasil). Portaria nº 585, de 15 de junho de 2015. Dispõe sobre a regulamentação da Supervisão Acadêmica no âmbito do Projeto Mais Médicos para o Brasil e dá outras providências. Diário Oficial da União 16 junho 2015.112; Seção 1:11. [acesso em: 26 set 2015]. Disponível em: http://www.lex.com.br/legis_26895833_PORTARIA_N_585_DE_15_DE_JUNHO_DE_2015.aspx.

Costa MY, López E. Educación para la Salud. Madrid: Pirámide; 1996. p.25-58.

Assis FAG, Santana AMB, Andrade LDF, Lira PRB. Processo do trabalho em saúde na atenção primária: um passeio pela literatura. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações. 2013; 11(2): 3-10.

Cutolo RLA, Madeira KH. O trabalho em equipe na estratégia Saúde da Família: uma análise documental. Arquivos Catarinenses de Medicina. 2010; 39(3).

Bordenave JED. Alguns fatores pedagógicos. In: Santana JP, Castro JL, organizadores. Capacitação em Desenvolvimento de Recursos Humanos CADRHU. Natal: Ministério da Saúde/Organização Pan-Americana da Saúde/ Editora da UFRN; 1999.

Acioli S. A prática educativa como expressão do cuidado em Saúde Pública. Rev bras enferm 2008; 61(1): 117-21.

Alvin NAT, Ferreira MA. Perspectiva problematizadora da Educação Popular em Saúde e a Enfermagem. Texto & Contexto Enferm. 2007;16(2):315-9.






Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________