//www.tempusactas.unb.br/index.php/tempus/issue/feed Tempus – Actas de Saúde Coletiva 2022-05-24T14:10:50+00:00 Profa. Dra. Ana Valéria Machado Mendonça (Editora Executiva) valeriamendonca@gmail.com Open Journal Systems <p><strong>Tempus – Actas de Saúde Coletiva</strong></p> <p><strong>ISSN 1982-8829</strong></p> //www.tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/view/3027 A A VIOLÊNCIA NO CONTEXTO DA PANDEMIA DA COVID-19: 2022-05-24T14:10:50+00:00 WILMA FIGUEIREDO AGRA wilmaf.agra@gmail.com <p><strong>: </strong>Trata-se de uma pesquisa exploratória, de abordagem qualitativa e quantitativa, cujo objetivo é realizar uma análise critico- reflexiva sobre a violência no contexto da pandemia a partir das notificações compulsórias em saúde nas unidades hospitalares do estado de Pernambuco. A pergunto norteadora da pesquisa foi: “Em que medida as notificações compulsórias de violência em saúde nas unidades hospitalares do Estado de PE revelam tal violência durante a Pandemia da Covid-19?”. Para tanto partiu-se da compreensão que a violência é um indicador de agravo a saúde e, portanto, sua existência deve ser notificada pelas unidades hospitalares para que, políticas de enfrentamento possam ser formuladas e executadas. A pesquisa foi elaborada a partir da análise quantitativa e comparativa dos números de notificações de violência interpessoal/autoprovocada do período anterior a pandemia e durante a pandemia nas plataformas CIEVS-PE e DataSUS-PE, além disto, foram investigadas as fragilidades das notificações a partir da pesquisa bibliográfica aliada à experiência prática da pesquisadora na residência multiprofissional em urgência, emergência e trauma. Os resultados confirmaram as expectativas da pesquisa indicando que a violência aumentou durante a pandemia de COVID-19, embora as notificações tenham diminuído em comparação ao período anterior a pandemia, confirmando o baixo número de notificações. Complementar as subnotificações, outras fragilidades foram encontradas como os problemas que afastam as equipes de saúde a efetivarem a notificação e que, consequentemente levem a subnotificação e o déficit nas políticas de enfrentamento que se devem, em parte, às estatísticas de notificação de violência que não são fidedignos a realidade. Concluiu-se que as notificações de violência apresentam importantes fragilidades, fragilidades estas que foram intensificadas na. Sobre isto, indica-se que os problemas relativos às notificações sejam tratados para o efetivo enfrentamento da violência.</p> Copyright (c) //www.tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/view/3026 Atenção Primária à Saúde: As Contribuições no Enfrentamento da Pandemia de Covid-19 no Brasil 2022-05-22T22:06:41+00:00 ANA VIVIANE SANTANA DA SILVA anavivianekek@gmail.com <p>Este trabalho descreve as principais contribuições da Atenção Primária à Saúde (APS) no enfrentamento da pandemia da COVID-19. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, por meio de uma revisão da literatura. A busca da literatura foi realizada nas seguintes bases de dados: Scientific Electronic Library Online (SciELO), Biblioteca Virtual de Saúde (BVS) e Google Acadêmico. Foram analisadas 20 publicações do período de 2020 a 2021, resultando em 7 artigos sobre o tema. Foi elaborado uma tabela com ano, autores, títulos e objetivos. Da leitura e análise dos artigos emergiram cinco subtemas para discussão: reorganização da estrutura da APS no cenário da epidemia, educação em saúde diante do novo coronavírus, vigilância em saúde no contexto pandêmico do SARS-CoV-2, teleassistência em tempos de COVID-19 e desafios da APS frente a pandemia.</p> Copyright (c) //www.tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/view/3025 A COMUNICAÇÃO DIGITAL GOVERNAMENTAL NO BRASIL EM TEMPOS DE COVID-19 2022-05-19T23:35:47+00:00 Lucia de Fatima Nascimento de Queiroz lfnqueiroz@gmail.com MAURO GUILHERME MAIDANA CAPELARI CAPELARI.UNB@GMAIL.COM ROSEANA MARIA BARBOSA MEIRA ROSEANAMEIRA1@GMAIL.COM <p>O artigo apresenta os resultados de estudo sobre Comunicação Digital Governamental (CDG) no Brasil, realizado mediante visita aos sítios eletrônicos das Secretarias Estaduais de Saúde (SES) durante o primeiro ano da crise causada pela pandemia de Covid-19. Trata-se de estudo exploratório, transversal, com abordagem qualitativa e coleta de dados em ambiente digital, cujos objetivos consistiram em analisar os sítios eletrônicos das SES e estimular o debate sobre o papel que ocupam na governança do Sistema Único de Saúde (SUS). Os resultados revelaram heterogeneidade das informações sobre os fóruns de governança estadual do SUS (Comissões Intergestores Bipartite e Conselhos Estaduais de Saúde); diversidade nas informações sobre a Covid-19 e nos dados relativos às receitas e despesas governamentais do setor saúde. Foram identificadas experiências residuais de conteúdos em línguas diferentes do português, raras situações de prestação de serviços por telessaúde e ausência de espaços de interação direta entre os cidadãos e as equipes das SES. Espera-se que o momento de mudanças causado pela Covid-19 represente uma oportunidade de debate e inovação das práticas de CDG adotadas por estas instâncias gestoras do SUS.</p> Copyright (c) //www.tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/view/3024 antimicrobiano, patovare, E.coli Mecanismos de Virulência e Resistência em Escherichia coli patogênicas 2022-05-16T03:48:45+00:00 Alexsandro Araujo Oliveira alexaraoliveira@gmail.com <p><em>Escherichia coli</em> é um bacilo gram-negativo pertencente à família das Enterobacteriaceae, presente na microbiota intestinal da maioria dos organismos &nbsp;endotérmicos, cujos elementos genéticos móveis podem transformá-la em uma cepa patogênica e resistente a antimicrobianos para muitas espécies de animais e humanos. São divididas em dez patovares distintos e classificam-se de acordo com a síndrome clínica que desenvolvem em seu hospedeiro. O presente estudo tem como objetivo elucidar os mecanismos de virulência relacionados a estes patovares, assim como, evidenciar os principais sistemas de resistência presentes neste espécime. &nbsp;Até o presente momento os patovares de <em>E. coli que</em> foram descritos na literatura como causadores de patologias em diversos hospedeiros, são : <em>E. coli</em> Entereoinvasiva (EIEC); <em>E. coli</em> Verotoxigênica (<em>VTEC</em>); <em>E. coli</em> Enterotoxigênica (ETEC); <em>E. coli</em> Enteropatogênica (EPEC); <em>E. coli</em> Entero-hemorrágica <em>(</em>EHEC); <em>E. coli</em> Enteroaderente ou enteroagregativa (EAEC ou EAggEC); <em>E. coli</em> Necrotoxigenica (NTEC); <em>E. coli</em> Uropatogênica (UPEC); <em>E. coli</em> Invasiva (SePEC); <em>E. coli</em> Difusamente aderente (DAEC). Quanto aos mecanismos de virulência estes são divididos em três categorias distintas: adesinas e fatores de adesão; outras proteínas de membrana (OMP’s) e exotoxinas, dentre os quais são mais comuns entre as fimbrias e adesinas. os mecanismos que estão diretamente relacionados ao surgimento da resistência antimicrobiana, os mais citados são pressão seletiva; transferência horizontal de genes (HGT); transformação, transdução, conjugação; modulação da expressão genética e mutações genéticas.</p> Copyright (c)