A primeira verdade inconveniente

Michel Odent

Resumo


Adotando uma perspectiva fisiológica para analisar a evolução da humanidade desde os primórdios até o presente, o autor identifica a espécie “Homo superpredador” como a prevalente na atualidade, que apresenta grande potencial de agressão
e dificuldade para a convivência. Na medida que as estratégias básicas de sobrevivência dos grupamentos humanos são a dominação da natureza e a de outros grupamentos humanos, as sociedades bem sucedidas são as que transmitiram de geração
em geração crenças e rituais que amplificam o potencial de agressão e moderam a capacidade de amar. Considerando os aspectos emergentes de expressão gênica e períodos críticos para a interação gênica com o meio ambiente, ele consegue associar as características do Homo superpredador com a
forma pela qual os bebês nascem. Numa época em que é vital relfetir em termos de sobrevivência da humanidade, mais que na de grupamentos específicos, ele pondera se seria utópico induzir deliberada e conscientemnte o advento do Homo
Ecologicus como uma nova variedade da espécie humana, através de um possível processo de modulação epigenética. Tal objetivo implica num questionamento: Seria a fisiologia moderna
suficientemente poderosa para redescobrir as necessidade básicas da mulher em trabalho de parto e de seu bebê, apesar de séculos de socialização do parto e nascimento e do condicionamento cultural profundamente enraizado?

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v4i4.834



Direitos autorais

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________